Ufa, acabou! Nos dias 3 e 4 de novembro a equipe Next Idea participou do RD Summit, o maior evento de Marketing Digital e Vendas da América Latina, com mais de 5 mil participantes. Nos dois dias de programação rolou muito conteúdo, networking e contato com grandes nomes nacionais e internacionais.

A gente ficou muito empolgado e feliz em poder participar e, claro, quer dividir essa experiência com todos os nossos leitores. Acompanhe o que vimos no RD Summit 2016!

Conteúdo fora da caixa: como se destacar em meio a todo o conteúdo da internet

O consultor de Marketing Digital, professor e palestrante Rafael Rez, da Web Estratégica Marketing de Conteúdo, falou sobre um grande desafio para quem produz conteúdo: no meio de tantos materiais de qualidade como se destacar e chamar a atenção do público?

Efeito PQP

Se antes o desafio principal era começar a produzir, hoje com a popularização do marketing de conteúdo essa etapa já vem sendo superada e a preocupação deve ser muito maior com as formas de causar impacto. Rafael destacou que a maioria dos profissionais se preocupam apenas com as métricas de produção (x posts por semana, x e-books por mês…) e esquecem da métrica PQP (isso mesmo!) que é aquela que surpreende o leitor, que faz ele ver o quanto aquele conteúdo vai ser útil pra ele e pensar: cara, é disso mesmo que eu preciso!

É esse tipo de sensação que os profissionais que trabalham com marketing de conteúdo devem perseguir. É importante lembrar também que o conteúdo só existe para resolver algum problema da persona e justamente por isso ele precisa ser convincente, o leitor precisa confiar naquele material que está consumindo.

Escreva para o cliente, não para você

“Marketing é sobre contexto”. Com essa frase o consultor explicou que muitas vezes pensamos no conteúdo de forma prepotente, achando que vai interessar pro consumidor que fiquemos falando apenas sobre nossos produtos ou serviços. Na realidade, precisamos mostrar como nossa solução entra no contexto do cliente. Ele citou o case de uma empresa fabricante de máquinas de sorvetes que, em vez de produzir materiais explicando o funcionamento das máquinas ou seus benefícios, criou uma página com receitas de sorvetes gourmet. No final das contas, o que a persona quer é saber formas de ganhar dinheiro vendendo sorvete, a necessidade de comprar uma máquina vai aparecer consequentemente.

Gerando crescimento explosivo com o e-mail

Mais uma vez ouvimos: não, o e-mail marketing não morreu e nem vai morrer tão cedo. Scott Heimes, CMO da Sendgrid, apresentou itens importantes para usar o e-mail como uma estratégia de marketing.

Design e conteúdo

Segundo Scott, esses dois pontos são essenciais e devem estar muito bem resolvidos em uma campanha de e-mail. O CTA da peça deve estar claro para o usuário para que ele saiba exatamente para onde será conduzido: leitura de um conteúdo, cadastro em uma oferta, testar uma ferramenta etc. Além disso, é ideal que não sejam usados muitos CTAs para não confundir o leitor.

Tudo deve estar alinhado com a identidade visual da empresa: tipografia, imagens, cores e ícones devem conversar entre si. Os testes AB são bem importantes para verificar quais itens dão melhores resultados.

Pesquisas apontam que assuntos de e-mails com até 3 palavras geram muito mais engajamento. Além disso, Scott recomendou evitar símbolos como # ou emoticons nos assuntos, que podem gerar uma taxa de abertura menor. Outro recurso importante e que não deve ser esquecido, segundo ele, é o cabeçalho do e-mail, que pode ser usado para contar uma história e chamar a atenção do leitor. Evite deixar esse espaço com algum texto cortado ou em branco.

Contextualização e globalização

O CMO da Sendgrid também reforçou a importância de contextualizar a comunicação de acordo com o seu público: se sua persona mora em Florianópolis, por exemplo, por que não mencionar algo sobre a cidade e tornar a comunicação bem mais pessoal?

Outro ponto que ele comentou foi a globalização e aí é importante ter cuidado com o idioma (caso seu e-mail seja enviado para outros países), tipo de oferta, moeda local, entre outros.

Entregabilidade

Esse item é tão importante quanto todos os outros. Afinal, de que adianta criar um ótimo e-mail se ele não chega até as pessoas que você deseja? Os itens são bastante técnicos e é preciso contar com a ajuda de um profissional da área de TI para configurações como DKIM e SPF, por exemplo.

Como montar um planejamento de conteúdo que realmente funciona

Na plenária do Centrosul de Floripa, Luísa Barwinski, diretora da MOT Digital, falou sobre planejamento de conteúdo e dicas do que funciona na prática.

Planejamento de conteúdo

Segundo Luíza, a base de um bom planejamento de conteúdo está nesses 3 tópicos: pesquisar, analisar e documentar.

Pesquisar

  • Pesquisa de concorrentes;
  • Pesquisa de personas;
  • Pesquisa de canais;
  • Pesquisa de assuntos.

Analisar

  • Análise de SWOT;
  • Auditoria de conteúdo já existente;
  • Oportunidades de geração de leads;
  • Canais mais relevantes;
  • Distribuição para a equipe.

Documentar

  • Benchmark e referências para criação;
  • Definição de metas;
  • Manual de identidade verbal da marca;
  • Montagem de um calendário editorial.

O que faz um planejamento não funcionar

A dor de muitos profissionais que trabalham com marketing de conteúdo é ver seus planejamentos não saindo do papel. Luíza citou alguns motivos que podem estar emperrando o seu planejamento:

  • Horizonte competitivo (marcas x publishers);
  • Proliferação de canais e mídias;
  • Apenas 21% das empresas brasileiras documentam as suas estratégias de conteúdo;
  • Apenas 28% das empresas brasileiras documentam suas linhas editoriais;
  • Falta de clareza nos objetivos;
  • Problemas na concepção de personas;
  • Falta de alinhamento com a personalidade da marca;
  • Peso maior na divulgação de produtos;
  • Resultados: não saber o que/como mensurar.

Como produzir bons conteúdos quando meu cliente passa informações meia boca?

Infelizmente, esse é um dilema bem comum. Muitas vezes, inclusive por não saber exatamente como funciona o processo de produção de conteúdo, o cliente acaba não se comprometendo 100% com o envio de informações para a produção do conteúdo. Luíza sugeriu dois caminhos.

O primeiro deles é o redator se especializar no negócio do cliente a ponto de entender tão bem do produto ou serviço quanto ele. Dessa forma, vai ficar mais fácil produzir os materiais. Outra forma étreinar o cliente para a produção do conteúdo. Como ele tem todo o conhecimento a respeito da sua empresa se aprender algumas técnicas de redação pode produzir os conteúdos internamente.

A apresentação completa da Luíza no RD Summit está aqui.

O post de meio milhão de reais: inteligência competitiva e SEO focados em resultados

Um dos fundadores da Rock Content, Vitor Peçanha trouxe um case de sucesso para o RD Summit 2016: como um post publicado no blog Marketing de Conteúdo trouxe mais de meio milhão de reais de retorno.

Peçanha destacou a importância do planejamento e da identificação das personas – a Rock Content trabalha com duas – para produzir um conteúdo que realmente seja relevante para quem lê. Outro ponto importante é fazer um conteúdo perene, que tenha valor ao longo do tempo. Além disso, a pesquisa de palavras-chave também foi super importante: com esse post a Rock Content indexou em primeiro lugar no Google para a busca pelo termo “marketing digital”. A conta para chegar até o valor você confere em detalhes aqui – na data do evento o número já passava de R$ 600 mil.

Dica de ouro

Peçanha deu uma super dica para quem quer alcançar bons resultados com o marketing de conteúdo em relação à concorrência. Digite no Google a palavra-chave que queira posicionar da sua empresa ou do seu cliente, o primeiro resultado que aparecer já serve de parâmetro para o seu conteúdo. Para fazer um material extraordinário, seu conteúdo deve ser melhor do que o primeiro resultado que está aparecendo na busca.

Mensuração de resultados em marketing de conteúdo

O diretor de Content Marketing da Tracto, Cassio Politi, falou sobre os indicadores que podemos usar para mensurar os resultados em marketing de conteúdo. Para ele, as métricas são informações que devem responder perguntas: qual conteúdo gera mais cadastros? Qual rede social gera mais tráfego? Qual é o tema mais consumido pelas personas? Quantos clientes passaram pela página de demonstração antes de fechar a compra?

Eficiência x eficácia

Quando fala-se em métricas é importante ter em mente a eficiência e a eficácia das ações. Cassio trouxe o exemplo do jogo da Copa do Mundo de 2014 entre Brasil e Alemanha. Analisando os números da partida (posse de bola, finalizações etc.), o Brasil foi muito mais eficiente no jogo. Porém, o 7×1 deixou bem claro pra todo mundo que a eficácia ficou com a Alemanha.

Relatório de resultados

Na hora de apresentar os resultados dos conteúdos para outras áreas da empresa ou para seu cliente, a dica é hierarquizar as informações, como em uma matéria jornalística. Primeiro os dados mais importantes, caso alguém pare por ali a leitura já dá de observar as principais informações. Cassio sugeriu essa ordem:

  1. Manchetes
  2. Ações propostas
  3. Métricas de eficácia
  4. Métricas de eficiência
  5. Demais dados

Neuromarketing – compreendendo o inconsciente do consumo

Fernando Kimura, da Academia Neuromarketing deu insights sobre a compreensão de como funciona o processo de compra dos consumidores. Ele começou a palestra com uma pergunta: o cliente tem sempre razão?

O que o nosso cérebro busca?

Nosso cérebro de consumidor é super complexo. O que buscamos:

  • Sobrevivência e reprodução: são as forças matrizes do cérebro;
  • Recompensas imediatas;
  • Padrões pré-determinados

Como sua empresa se apresenta?

Sua empresa deve estar ligada no comportamento do consumidor para oferecer seus produtos ou serviços a ele.

  • Campanha padrão: fuja dos padrões.
  • Gere sensação nas pessoas: gere sentimento, tenha relacionamento.
  • Segurança faz as pessoas comprarem: pirâmide das necessidades de Maslow.
  • Quanto mais informação você dá, mais longe você fica do inconsciente e mais perto do consciente e real.

6 estímulos para atingir o inconsciente

→ Nosso cérebro é egoísta = ele precisa daquele produto

→ Contraste = comparação entre o antes e o depois

→ Tangibilidade

→ Ciclos = começo, meio e fim

→ Visual

→ Emocional

7 passos para construir um bom atendimento

  1. Crie cultura na empresa com um propósito bem definido:
    1.1 Proximidade com o cliente
    1.2 Proatividade da empresa
    1.3 Comprometimento
    1.3.1 Retenha clientes
    1.3.2 Defina sua marca
    1.3.3 Seja referência
  2. Estabeleça o perfil para a equipe alinhado ao propósito.
  3. Transforme a excelência e a alta performance em um hábito.
  4. Busque inteligência e eficiência operacional.
  5. Estimule a inovação e criatividade.
  6. Reconheça cada diferencial da sua equipe.
  7. Aproxime os departamento.

Para finalizar, Fernando reforçou que todas as empresas só possuem um chefe: o cliente. E sobre a pergunta feita no começo da apresentação ele disse: “o cliente não tem razão, ele é a razão”.

Funil de inbound marketing para instituições de ensino

Na trilha de educação, Rafael Alexandre, da Resultados Digitais, e Ivan Martini, da CRM Educacional, falaram sobre o funil de inbound marketing para as instituições de ensino. Eles destacaram que Vendas e Marketing devem ser um só: o time de matrículas. Tudo deve convergir para conquistar os alunos. Nessas instituições, o smarketing deve rodar a todo o vapor.

Conteúdo

O marketing de conteúdo é o carro chefe para atrair interessados nos cursos e as escolas podem investir em diversos tipos de materiais, como testes vocacionais e até mesmo conteúdos que os professores já tenham prontos (PPTs, planilhas etc.). Os fluxos de nutrição também podem ajudar nessa jornada para conduzir os leads até o fechamento da matrícula.

Em relação às personas compradoras desse tipo de instituição, os palestrantes comentaram que, no caso de mais de uma persona, o caminho ideal é focar em uma que gere mais resultados financeiros para a escola.

Métricas essenciais para provar resultados em Marketing Digital

Não adianta ter uma estratégia incrível de Marketing Digital se você não consegue provar que o investimento vale a pena. Hiram Damim, da Resultados Digitais, trouxe alguns pontos importantes que podem ajudar nessa questão. Pra começo de conversa, segundo ele, números sozinhos não dizem nada. O que eles querem dizer? É preciso ter sempre isso em mente na hora de apresentar algum relatório.

Como provar o ROI em relatórios

Algumas perguntas chave podem ajudar:

  • Como foi o desempenho do funil?
  • Há algum furo?
  • As metas foram batidas?
  • O que deu certo?
  • O que precisa melhorar?
  • E as taxas de mercado? (são os parâmetros)

Como alavancar KPIs para criar uma operação de SEO de alta performance

Matt Kligerman, da Escale, explicou que para criar uma operação de SEO de alta performance é preciso ter indicadores claros e acompanhá-los diariamente. Além disso, é importante definir KPIs críticos, reativos e proativos. Os proativos vão influenciar nos reativos, que vão influenciar nos críticos, sendo que esses últimos são a entrega mais importante. A equipe deve ter 1 KPI crítico por pessoa. Dessa forma, é possível medir a evolução do SEO mensalmente, semanalmente e diariamente, para que o resultado de médio e longo prazo seja cumprido.

Outras boas práticas são acompanhar o valor das palavras postadas por dia, a quantidade de trust flows e a taxa de conversão como KPIs críticos.

Como montar uma estratégia de SEO em 2017

SEO em vez de search engine optimization deveria significar search experience optimization, segundo Gustavo Bacchin, da Cadastra. Para ele, não devemos fazer SEO para a ferramenta de busca e sim para o usuário. Claro que é importante saber que um dos fundamentos do SEO é a tecnologia, ou seja, o site precisa estar com as questões básicas bem estruturadas. Depois disso, partimos para conteúdo e depois para a reputação.

A experiência do usuário é o mais importante e é uma etapa que só é alcançada depois de ter as anteriores bem estruturadas. A questão final da conversa foi: como aparecer nos formatos de busca que estão chegando, por exemplo, Google Home.

Os erros que te impedem de ter resultados no Google AdWords e como resolvê-los

De acordo com Leandro Martinez, da Basta1Click, há vários erros que você pode estar cometendo no dia a dia que travam o sucesso das campanhas no Google AdWords. Confira os principais:

  • Falta de planejamento e metas;
  • Trabalhar somente fundo de funil;
  • Pensar só no resultado imediato;
  • Fazer campanha sem pensar no usuário, pensando na ferramenta;
  • Achar que o problema está só na campanha;
  • Não medir resultados;
  • Criação acelerada, executar as ações com pressa.

Leandro deu várias dicas para rede de display e de pesquisa, como por exemplo, não começar usando o CPC otimizado, avaliar os resultados por dispositivo, por região, entre outros.

Facebook Ads avançado: como extrair o máximo dos seus anúncios

Fábio Prado Lima, da Ads Results, falou sobre estratégias para gerar bons resultados com as campanhas no Facebook. De acordo com ele, o Facebook vai fazer o possível para entregar o que você pediu, então, quanto maior o investimento e menor o tempo, maior vai ser o custo por resultado.

Além disso, Fábio deu várias dicas sobre acompanhamento dos relatórios, destacando a importância de acompanhar informações como CTR, pontuação de relevância, taxa de conversão, feedback positivo e negativo dos anúncios. Para segmentação do público, ele indicou o Audience Insights.

E você, também estava no RD Summit 2016? Fique à vontade para compartilhar algum conteúdo com a gente nos comentários! E, caso não tenha ido para Floripa, esperamos que você tenha curtido nosso resumão e que possamos nos ver por lá ano que vem! Partiu RD Summit 2017? 🙂