O marketing, essa fascinante área de conhecimento, nos presenteia com os mais diversos termos e expressões. Não faltam nomes para designar as mais diversas técnicas e estratégias que surgem. Muitas vezes, nos perdemos entre tantas expressões em inglês e termos técnicos do momento. Entretanto, mais do que palavras de pronúncia descolada, o Marketing Digital, o Marketing de Conteúdo e o Inbound Marketing são assuntos que precisamos realmente conhecer para conseguirmos explorar todo o potencial do setor.

 

Você sabe quais as diferenças entre as três denominações? Entenda cada um desses conceitos no post de hoje!

→ O que é Marketing Digital

Quanto ao Marketing Digital, nenhum mistério: o termo refere-se às técnicas do marketing tradicional, adaptadas e aplicadas ao ambiente online, levando a uma nova esfera de atuação das empresas e das agências de publicidade.

Quando o Google transformou o seu motor de buscas em uma das principais ferramentas para os internautas de todo o mundo, surgiu a necessidade de construir táticas específicas para o canal, que era muito diferente do que havia até então.

O Marketing Digital teria surgido na mesma época em que o Google AdWords se tornou uma ferramenta de promoção de produtos e serviços no site de buscas mais usado em todo o mundo, e a partir daí tudo cresceu em um ritmo exponencial.

Mas não só de internet vive o Marketing Digital. Hoje, temos ações que utilizam uma diversidade de aparelhos, telas e processos que, mesmo desconectados, fazem a sua parte em estratégias digitais. Menus interativos, totens e vitrines sensíveis ao toque são apenas alguns exemplos que podem ser explorados nesse sentido.

Podemos considerar, portanto, que quando se fala de marketing com o suporte de dispositivos tecnológicos, conectados ou não à internet, estamos nos referindo ao Marketing Digital.

→ O que é Marketing de Conteúdo

A internet trouxe, junto às novas formas de comunicação e de diversão, muitas alternativas para as marcas se relacionarem com o seu público, botando a criatividade para funcionar no lugar de velhas formulas repetidas à exaustão nos grandes veículos de comunicação.

Percebendo que as pessoas com determinados perfis de consumo iam ativamente em busca de conhecimento amplamente dominado em suas organizações, as empresas começaram a produzir conteúdo para aproveitar a onda onde surfaram os blogs, fóruns de discussão e outras páginas voltadas para a troca de ideias e aprendizado.

Surgiu então o Marketing de Conteúdo, que consiste em utilizar o know-how e a experiência em determinadas áreas de conhecimento para produzir conteúdo de qualidade como maneira de interação da marca com o seu público. Até hoje os blogs são protagonistas nessa cena, mas agora dividem o palco com as redes sociais e plataformas especializadas em ensino a distância.

Note que, frequentemente, o Marketing de Conteúdo é confundido com o Inbound Marketing, mas definitivamente são coisas bem diferentes. O conteúdo tem papel central nas estratégias de Inbound, mas este é mais amplo e atua em aspectos que extrapolam a disciplina do marketing nas organizações.

→ O que é Inbound Marketing

O Marketing de Conteúdo é bastante útil, mas sozinho não foi capaz de trazer resultados sólidos para as empresas que o adotaram. A verdade é que informar e educar não é o bastante para guiar pessoas ao longo do processo de conversão até que se tornem clientes de fato.

A necessidade de integrar o Marketing de Conteúdo a uma sólida cadeia de estratégias e técnicas de conversão de visitantes em clientes satisfeitos gerou o que chamamos hoje de Inbound Marketing, também conhecido como “marketing de atração”, termo que descreve bem apenas uma das etapas do Inbound na sua plenitude.

Inbound, traduzido para português, significa “entrada”. Isso porque ele direciona o usuário para a entrada em uma espécie de pipeline. O objetivo é de convertê-lo em um cliente que influencie outras pessoas positivamente — movido pela sua experiência positiva com a sua marca ou produto.

O Inbound Marketing normalmente é composto de quatro etapas, ou fases:

  1. Atração;
  2. Conversão;
  3. Fechamento;
  4. Encantamento.

Fase 1: Atração

Esta é a parte em que as pessoas com determinados interesses são atraídas pelo conteúdo de qualidade publicado em blogs e páginas formatados especificamente para essa finalidade. Aqui, o Marketing de Conteúdo faz o seu papel, ao posicionar a marca como uma figura de autoridade no tema pesquisado pelo usuário.

Uma vez no ambiente controlado pela empresa, o prospect tem contato com todo o material produzido com informações valiosas e argumentação direcionada para os objetivos da marca, sem soar como um jabá ou propaganda descarada.

Fase 2: Conversão

Nesta área, várias táticas de conversão são usadas para tornar o usuário ou prospect em um lead, ou seja, um contato qualificado com potencial para se tornar um cliente de fato.

Formulários para assinatura de newsletters, download de e-books, pedidos de contato ou solicitações de orçamentos são algumas das formas de converter um visitante para que ele entre no processo de fechamento.

Fase 3: Fechamento

Agora é hora de vender. Dependendo do nicho ou área de atuação, podem ser usados materiais de suporte, contatos telefônicos ou por e-mail e formatação de propostas para concretizar a venda. É importante satisfazer as necessidades e desejos do seu novo cliente para que o terreno esteja preparado para a próxima fase.

Fase 4: Encantamento

Uma atividade altamente negligenciada por empresas brasileiras é a fidelização de clientes. Um pós-venda realmente efetivo faz maravilhas na retenção de clientes e na ampliação da fatia de mercado da sua marca.

De fato, o Inbound Marketing é complexo e trabalhoso; não é surpresa que poucos o façam de verdade, e de maneira bem-feita. Investimentos em sistemas de automação de marketing, profissionais qualificados e dedicação a um projeto de médio/longo prazo não são elementos tão presentes quanto deveriam, mas toda empresa pode fazer o dever de casa e conseguir bons resultados com o Inbound Marketing se contar com o devido suporte de parceiros qualificados.

Ficou pensando sobre o que fazer agora? Confira o nosso e-book Contratar agência de Inbound Marketing x fazer internamente. Com certeza você vai eliminar suas dúvidas e obter insights importantes sobre a decisão de entrar no Inbound Marketing do jeito certo!