Em sua opinião, o que é mais agradável: interromper o trabalho para atender a uma ligação de telemarketing oferecendo pela décima vez a assinatura de uma revista sobre turismo que nunca despertou seu interesse ou gastar dois minutos baixando um e-book repleto de dicas sobre a viagem que pretende fazer nas férias? Pois definitivamente não é por acaso que os maiores especialistas do segmento defendem a tese de que técnicas invasivas e ultrapassadas como a infame cold call do telemarketing mataram o outbound marketing e abriram espaço para o revolucionário inbound marketing!

Mas do que se trata um e outro e por que o inbound marketing é visto hoje como a salvação da lavoura, principalmente em tempos de crise econômica? É o que você está prestes a descobrir neste post:

Inbound e outbound marketing: trocando em miúdos

O inbound marketing é um conceito que significa, basicamente, marketing de atração por meio de conteúdo especializado — como blog posts, e-books e whitepapers —, feito sob medida e alinhado às melhores práticas de SEO para converter visitantes em leads ao oferecer as soluções ideais para seus problemas ou suas necessidades. A grosso modo, por meio dele que o cliente vem até você.

Já o outbound marketing, por sua vez, é a forma mais tradicional e direta de prospectar ativamente os potenciais clientes por meio de táticas consideradas invasivas pelos defensores do marketing de atração — como, por exemplo, mídia paga na TV, no rádio, no cinema, em outdoors, com o telemarketing, listas de mailing pagas, banners do estilo pop-up e muito mais. Você não só vai até o cliente, como praticamente faz questão de interrompê-lo no meio de alguma outra ação. Lembra daqueles irritantes carros de som passando do lado da sua casa oferecendo pamonha? Marketing tradicional!

O triste fim do outbound marketing: uma breve história

No século passado, a emblemática figura do vendedor de maleta na mão que tocava na porta da clientela para oferecer produtos dos quais apenas ele tinha conhecimento era soberana. Com o passar dos anos, o universo desse vendedor portador de todo conhecimento conquistou maior abrangência com a eclosão dos meios de comunicação, quando o jingle de um anúncio de sabão em pó na TV aberta era sinônimo de vendas esgotadas no supermercado no dia seguinte.

No entanto, a partir do momento em que o acesso à informação se difundiu mais e mais, especialmente com o advento da internet, o consumidor deixou de ser aquele sujeito passivo e ingênuo que agendava visitas do vendedor de enciclopédias em casa e acreditava em tudo o que passava na TV para ser um portador da maior parte das informações necessárias para realizar qualquer tipo de compra.

O consumidor se cansou de ser incomodado no meio de seu programa favorito para comprar uma marca de sabão em pó que ele já conhece — e, por sinal, detesta! O modo tradicional, quem diria, de soberano passou a ser chato. E o consumidor aprendeu a denunciar ligações de telemarketing no Procon e a direcionar propaganda não requisitada para a caixa de SPAMS do Outlook.

Vantagens e desvantagens: o que vale mais a pena

Além de conseguir estruturar um conteúdo que se conecta ao estágio do funil de vendas em que o consumidor se encontra, a estratégia do marketing de atração tem um custo muito mais baixo, jogando o retorno sobre o investimento nas alturas e podendo ter os resultados mensurados a todo momento.

Enquanto no marketing tradicional o budget chega a estourar os dígitos em função da compra de uma mídia caríssima em emissoras de renome, no outro, a princípio, basta investir na produção de um blog com ofertas e atualizações frequentes — com conteúdo de qualidade, claro. Assim, em muito pouco tempo as métricas dirão quantos visitantes seu blog está convertendo em leads. Já no outbound, a única forma de saber qual das mídias anda convertendo mais é fazendo questionários para saber como o cliente chegou até ali.

Nesse cenário, uma vantagem do modo tradicional em relação ao inbound estaria ligada ao fator tempo de exposição. Enquanto no marketing de atração o prazo médio é de 3 a 6 meses para construir um mecanismo automatizado e efetivo de geração de leads por meio de blogs e ofertas, no tradicional a exposição massiva pode fazer com que os leads surjam mais rapidamente. No entanto, uma lenda que corre no meio dá conta de que, hoje em dia, é mais fácil você sobreviver a um acidente de avião do que gerar leads por meio de um banner.

Agora que você certamente está decidido a investir de vez no marketing de atração, comente aqui e nos conte: qual das vantagens proporcionadas por essa estratégia chamou mais sua atenção? Compartilhe suas impressões conosco!