► Problema

O cliente tinha uma base com 7 mil e-mails, nem todos opt-in. Havia sido feita uma pequena segmentação e chegou-se a mil contatos, que receberiam os posts semanais. Mesmo com esta segmentação, a taxa de abertura dos e-mails era em média de 20%. Então, desses 7 mil contatos que poderiam ser explorados, apenas 200 deles abriam os e-mails com frequência.

 ► Solução

O caminho encontrado foi o envio de 4 e-mails para toda a base e a segmentação apenas dos leads que abriram algum dos e-mails.

Resultado

O e-mail seguinte, enviado apenas para esta base selecionada de 2.200 e-mails, teve uma taxa de abertura de 48,8%.

Ou seja, antes 200 contatos abriam o e-mail, agora foram mais de 1.000!

Os e-mails deixados para trás também terão tratamento para não ficarem pra sempre parados na base.

Segmentar a comunicação usando o interesse pelos e-mails ajuda a entender melhor a base, quem não abriu, não abriu por que? Talvez a base não seja opt-in, talvez os mesmos e-mails não sejam relevantes para eles. Mas não podemos ficar só nas hipóteses, não é mesmo? Nesse caso, testar frequentemente é a melhor alternativa, só assim é possível adotar medidas mais certeiras e conseguir alcançar resultadossempre melhores.

E você, já teve alguma experiência parecida com o envio de e-mails? Algo que deu errado ou que deu certo? Compartilhe!